NewsWeed – 1 – 2017

Seguem algumas atualizações na área da Matologia

1 – TRANSGÊNICOS

  1. Soja RR2 INTACTA – Na área de transgênicos, um trabalho muito interessante foi publicado por autores da Universidade Federal do Paraná – UFPR. O artigo trata da aplicação de glyphosate em cultivares de soja RR2 e seus efeitos nas plantas. Segundos os autores, as plantas de soja, mesmo tendo características fisiológicas afetadas, conseguem se recuperar dos sintomas visuais de intoxicação causados pelo herbicida (Krenchinski et al., 2017).

2- RESISTÊNCIA

  1. Novo Mecanismo de Resistência – Finalmente sabemos mais sobre o mecanismo conhecido por conferir o apelido de “Fenix” a planta Ambrosia trifida. O que sabíamos até algum tempo atrás é que plantas resistentes dessa espécie, após a aplicação do glyphosate, perdiam suas folhas isolando o herbicida aplicado. Logo após alguns dias, novas folhas brotavam e a planta sobrevivia. Hoje pouco se sabe ainda, porém pesquisadores encontraram que a aplicação exógena de Fenilalanina e Tirosina, inibe a rápida morte celular, indicando que esse mecanismo pode estar relacionado a fitotoxicidade do glyphosate ou outros agentes que possam gerar espécies reativas de oxigênio, já que a planta acumulou peróxido de hidrogênio após a aplicação do herbicida. Os autores ressaltam que devido a esse mecanismo, outros herbicidas aplicados em mistura com o glyphosate podem perder sua eficácia devido a não translocação até o seu sítio de ação (Moretti et al., 2017).

  2. Cercando os mecanismos não-alvos de resistência – Cada vez mais estudos de proteômica, genômica e metabolômica vendo sendo realizados na tentativa de melhor compreender os mecanismos de resistência de plantas daninhas. Em um experimento com plantas de Buva, pesquisadores do Reino Unido encontraram proteínas diferencialmente expressas em plantas resistentes ligadas ao cloroplasto de plantas. Segundo os autores proteínas de alto peso molecular da Rubisco apresentavam menor expressão enquanto proteínas de baixo peso molecular maior. A análise nesse caso não pode ser mais conclusiva, pois o genoma da planta em questão não está totalmente caracterizado. Os autores sugerem ainda que a proteína aldolase pode estar relacionada ao transporte diferencial do herbicida entre os genótipos e também analisam o papel da ATPase nesse processo. Os autores sugerem que os próximos trabalhos tenham um enfoque na análise do proteôma cloroplastidial (González-Torralva et al., 2017).

  3. Resistência no Brasil – Vale lembrar que agora possuímos o relato de resistência do capim-pé-de-galinha ao glyphosate no Brasil (Takano et al., 2017). Essa espécie soma-se as plantas de Amaranthus palmeri, Chloris elata, Conyza canadensis, Conyza bonariensis, Conyza sumatrensis, Digitaria insularis e Lolium multiflorum, totalizando oito espécies resistentes ao herbicida no Brasil. Será que demoraremos para encontrar populações de capim pé-de-galinha com resistência a inibidores da ACCase como encontrados em Taiwan?

  4. Finalmente – Sempre ressaltamos a necessidade de levar ao produtor os custos que a resistência a longo prazo trás para a lavoura. Finalmente pesquisadores relataram esses efeitos na Revista Brasileira de Herbicidas. Segundo os autores, o controle da buva resistente em pré emergência da soja apresenta maior retorno econômico quando da aplicação de glyphosate + chlorimuron-ethyl + 2,4-D ou glyphosate + chlorimuron-ethyl + 2,4-D + saflufenacil, reforçando a necessidade do emprego de mecanismos de ação alternativos a inibição da EPSPS (Piasecki et al., 2017).

Referências:

González-Torralva, F. et al. Comparative proteomic analysis of horseweed (Conyza canadensis) biotypes identifies candidate proteins for glyphosate resistance. Nature. Scientific reports, 7, 2017.

Krenchinski, F.H. et al. Glyphosate affects chlorophyll, photosynthesis and water use of four Intacta RR2 soybean cultivars. Acta Physiol. Plant.v.39, 2017.

Moretti, M.L. et al. Glyphosate resistance in Ambrosia trifida: Part 2. Rapid response physiology and non-target-site resistance. Pest Management Science, 2017.

Piasecki, C. et al. Eficiência técnica e retorno econômico do manejo de buva resistente ao glyphosate em pré-emergência da soja. Revista Brasileira de Herbicidas, v.16, 2017.

Takano, H.K. et al. Capim pé-de-galinha resistente ao glyphosate no Brasil. Planta Daninha, v.35, 2017.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo